A Diplomacia do Panda – Como a China usa seu principal símbolo para promover boas relações com outros países

Descubra porque os pandas são uma das maiores armas diplomáticas da China (e como isso impacta na sua conservação). Isso, é a Diplomacia do Panda.

Diplomacia do Panda Panda-gigante comemora aniversário de um ano, no zoológico nacional de Kuala Lumpur. Mohd Rasfan/AFP

Introdução

Em 2017, a 12ª reunião de cúpula do G20 aconteceu em Hamburgo, na Alemanha. Horas antes, o Presidente da República Popular da China, Xi Jinpin, se encontrou com a ex-Chanceler da Alemanha, Angela Merkel, para uma ação diplomática. De todos os locais a serem escolhidos, o compromisso ocorreu no Zoológico de Berlim, local onde aconteceu a inauguração de um novo recinto para dois pandas-gigantes emprestados pelo governo chinês para a Alemanha. Mas por que dois representantes de algumas das maiores economias mundiais iriam juntas ao zoológico antes de uma das discussões econômicas mais importantes do planeta?

Diplomacia do Panda
Angela Merkel e Xi Jinping attend em uma visita aos pandas Meng Meng e Jiao Qing no Zoológico de Berlim. 
Imagem: Reuters
Angela Merkel e Xi Jinping attend em uma visita aos pandas Meng Meng e Jiao Qing no Zoológico de Berlim.
Imagem: Reuters (2017)

Embora pareça um presente inocente, o empréstimo para o país europeu de dois pandas-gigantes, considerados como parte do tesouro nacional chinês, era um recado para o mundo: a Alemanha, e não mais os Estados Unidos, estava no centro do mundo ocidental, na visão de Beijing, naquele momento.

Descubra porque os pandas são uma das maiores armas diplomáticas da China (e como isso impacta na sua conservação).

Parte 1 – Tudo sobre o panda

O Panda-Gigante (Ailuropoda melanoleuca)

Origem evolutiva

O panda-gigante (Ailuropoda melanoleuca) é um urso diferente de todos os outros do planeta, com uma estranha história evolutiva. Sua linhagem se separou da dos outros ursos há cerca de 20 milhões de anos, no Mioceno, sendo, portanto, a linhagem mais antiga do grupo. Embora o registro fóssil de sua subfamília seja escasso, fósseis indicam que sua origem ocorreu na Europa.

Diplomacia do Panda

Classificação evolutiva da família Ursidae. O panda pertence à uma Subfamília própria, denominada Ailuropodinae, que se divergiu de todos os outros ursos há mais de 20 milhões de anos. Imagem: Addison Wesley Longman (1999)
Classificação evolutiva da família Ursidae. O panda pertence à uma Subfamília própria, denominada Ailuropodinae, que se divergiu de todos os outros ursos há mais de 20 milhões de anos. Imagem: Addison Wesley Longman (1999)

Fósseis descobertos na Espanha, em 2011, sugerem que um dos primeiros ancestrais conhecidos da linhagem, Kretzoiarctos beatrix, já possuía diversas adaptações para uma dieta com muitos vegetais devido a molares complexos. A espécie vivia em uma região extremamente florestada da Europa, há cerca de 11,6 milhões de anos, e mostrava uma tendência à herbivoria na linhagem do panda.

Diplomacia do Panda

Comparação de tamanho entre o panda-gigante moderno (Ailuropoda melanoleuca) e o primeiro panda conhecido, Kretzoiarctos beatrix. Imagem: Roman Uchytel
Comparação de tamanho entre o panda-gigante moderno (Ailuropoda melanoleuca) e o primeiro panda conhecido, Kretzoiarctos beatrix. Imagem: Roman Uchytel
Diplomacia do Panda

Fósseis do Kretzoiarctos beatrix - 
Imagem: Juan Abella, David M. Alba, Josep M. Robles, Alberto Valenciano, Cheyenn Rotgers, Raül Carmona, Plinio Montoya, Jorge Morales
Fósseis do Kretzoiarctos beatrix
Imagem: Juan Abella, David M. Alba, Josep M. Robles, Alberto Valenciano, Cheyenn Rotgers, Raül Carmona, Plinio Montoya, Jorge Morales

Há 10 milhões de anos, outro ancestral dos pandas, Miomaci pannonicum, surgiu no leste europeu, e sua dentição indica que a espécie já era adaptada ao consumo de bambu. Embora outros ramos na árvore genealógica dos pandas tenham dado origem a espécies mais carnívoras, a linhagem direta do atual Ailuropoda parecia cada vez mais conectada ao bambu e a uma alimentação cada vez mais herbívora, embora ainda permanecessem majoritariamente onívoros.

Diplomacia do Panda

Miomaci pannonicum, panda extinto do Leste europeu que já apresentava adaptações para se alimentar de bambus - Imagem por ArtofFabricious
Miomaci pannonicum, panda extinto do Leste europeu que já apresentava adaptações para se alimentar de bambus – Imagem por ArtofFabricious

O gênero Ailuropoda surgiu há cerca de 2 milhões de anos, no sul da China, e já apresentava uma dieta majoritariamente herbívora logo na sua origem, com o bambu sendo uma importante fonte de alimento, uma vez que já possuía seu famoso sexto dígito, que permitia o manuseio dessa planta. A primeira espécie do gênero, Ailuropoda microta, possuía apenas um metro de comprimento e uma dieta muito mais variada, além de viver em diversos habitats diferentes.

Reconstrução artística de um Ailuropoda microta, primeira espécie no gênero do panda-gigante. Imagem: NixDrawsStuff
Reconstrução artística de um Ailuropoda microta, primeira espécie no gênero do panda-gigante. Imagem: NixDrawsStuff

A espécie atual do gênero, Ailuropoda melanoleuca, se originou há apenas 750.000 anos, com diversas adaptações para a herbivoria em seus membros, com a presença de seu sexto dedo em suas patas dianteiras, herdado de seus ancestrais, que permite que o animal manuseie bambus facilmente, bem como com molares extremamente complexos, ideais para o consumo de vegetais, mas que não impedem uma alimentação onívora.

Diplomacia do Panda

As patas dianteiras dos pandas possuem um sexto dedo falso (formado pelos ossos sesamóides) que funcionam como nosso dedão e permitem que esses animais manuseiem bambus com facilidade. Imagens por Sharon Fisher e Natural History SWNS
As patas dianteiras dos pandas possuem um sexto dedo falso (formado pelos ossos sesamóides) que funcionam como nosso dedão e permitem que esses animais manuseiem bambus com facilidade. Imagens por Sharon Fisher e Natural History SWNS

Surpreendentemente, o panda-gigante ainda retém no intestino enzimas e uma microbiota intestinal compatíveis com as de um carnívoro, o que tornou sua alimentação quase exclusivamente em bambu um mistério para a ciência por muitas décadas.

Uma alimentação quase exclusivamente composta por uma planta com baixíssimo valor energético em um animal tão pouco adaptado à herbivoria tem seu preço. É por esse motivo, por exemplo, que os pandas possuem um metabolismo tão baixo, tendo dificuldade, inclusive, de se reproduzirem. Isso também é um dos fatores que fazem com que os reflexos dos pandas pareçam tão ruins, com diversos vídeos na internet mostrando esses organismos despencando de árvores ou rolando morro abaixo. Então, por que a evolução faria uma espécie ter menos probabilidade de sobrevivência?

Compilação de pandas caindo no Zoológico de Toronto

Aparentemente, a culpa é nossa.

A História Recente

O panda-gigante (Ailuropoda melanoleuca) era, para a surpresa de muitos, uma espécie extremamente bem adaptada ao ambiente em que vivia. Naturalmente uma espécie onívora, alimenta-se também de peixes, aves, lagartos e até de mamíferos pequenos e médios.

Por ter surgido em uma área cheia de carnívoros e com uma enorme disponibilidade de bambu, os pandas mais adaptados a comer vegetais possuíam uma vantagem evolutiva e a espécie perdeu a capacidade de sentir gostos umamis, associados a carnes, o que fez com que esses animais gostassem mais de saborear plantas do que proteínas animais. Curiosamente, vários animais da região com ancestrais onívoros também passaram a depender de bambus, como o panda-vermelho (Ailurus fulgens, que recebe seu nome por sua similaridade ao panda-gigante) e o Gigantopithecus blacki (o maior primata da história).

Diplomacia do Panda

Panda-vermelho (Ailurus fulgens), outro animal da ordem Carnívora que vive na mesma região que o panda-gigante e que também possui adaptações para o consumo de bambu - Imagem: Red Panda Network
Panda-vermelho (Ailurus fulgens), outro animal da ordem Carnívora que vive na mesma região que o panda-gigante e que também possui adaptações para o consumo de bambu – Imagem: Red Panda Network
Diplomacia do Panda

Gigantopithecus blacki, primata gigante extinto há cerca de 300 mil anos que se alimentava de bambu. Na imagem, um macho expulsa um tigre de seu território. Imagem: Julio Lacerda
Gigantopithecus blacki, primata gigante extinto há cerca de 300 mil anos que se alimentava de bambu. Na imagem, um macho expulsa um tigre de seu território. Imagem: Julio Lacerda

Para obter os nutrientes necessários para sua sobrevivência em uma dieta composta majoritariamente por bambu, os pandas migravam longas distâncias ao longo do ano, sempre comendo diferentes tipos da planta (pelo menos 20 espécies de bambu compõem a alimentação natural do panda). Dessa forma, esses ursos subiam e desciam as montanhas, baseados na maior disponibilidade de nutrientes entre brotos, troncos e folhas de bambu de diferentes espécies, sempre estando no local onde as plantas teriam a maior disponibilidade de energia e proteínas e menos concentração de fibras.

Diplomacia do Panda

Panda-gigante se alimentando em uma reserva na China. Atualmente, pandas passam 14 horas por dia comendo, mas digerem apenas 17% do que consomem. Por esse motivo, passam 12 horas por dia dormindo. Imagem: Michigan State University
Panda-gigante se alimentando em uma reserva na China. Atualmente, pandas passam 14 horas por dia comendo, mas digerem apenas 17% do que consomem. Por esse motivo, passam 12 horas por dia dormindo. Imagem: Michigan State University

Com o início da proto-agricultura na Ásia Oriental, há cerca de 20 mil anos, muitos vales e bases de montanhas, utilizados pelos pandas durante parte do ano, passaram a ser desmatados. Há 7 mil anos, enormes florestas de bambu deram lugar a plantações de arroz e, pouco a pouco, os pandas passaram a se restringir aos topos de montanha, locais que normalmente passavam poucas semanas do ano antes da chegada dos humanos. Historicamente distribuídos pela maior parte do sul da China, norte do Myanmar, Vietnã e pequenos trechos do Laos e da Tailândia, hoje se restringem às províncias chinesas de Sichuan, Shaanxi e Gansu.

Diplomacia do Panda

Distribuição histórica do panda-gigante (verde) e sua distribuição atual (vermelho) - Imagem por WWF e Paul Horn
Distribuição histórica do panda-gigante (verde) e sua distribuição atual (vermelho) – Imagem por WWF e Paul Horn

Dessa forma, a disponibilidade energética dessa espécie caiu drasticamente, o que reduziu a taxa de sobrevivência de adultos, as taxas reprodutivas da espécie e, até mesmo, o número de filhotes que sobreviviam à vida adulta, devido à menor concentração de proteínas e gorduras no leite das fêmeas. Assim, fizemos com que uma espécie outrora comum se tornasse, por muito tempo, um dos grandes mamíferos mais ameaçados do planeta.

Diplomacia do Panda

O panda-gigante é o mamífero placentário com a maior diferença de tamanho entre um adulto e um filhote recém-nascido e, por isso, os filhotes são extremamente frágeis e frequentemente são mortos pelas fêmeas sem querer. Na imagem, uma fêmea carrega seu bebê delicadamente no ZooParc de Beauval, na França. Imagem: AFP via Getty Images
O panda-gigante é o mamífero placentário com a maior diferença de tamanho entre um adulto e um filhote recém-nascido e, por isso, os filhotes são extremamente frágeis e frequentemente são mortos pelas fêmeas sem querer. Na imagem, uma fêmea carrega seu bebê delicadamente no ZooParc de Beauval, na França. Imagem: AFP via Getty Images

A caça e o desmatamento nos séculos seguintes diminuíram ainda mais a população desses animais. Em 1963, com uma população em queda acentuada, a República Popular da China (RPC) adotou medidas para a conservação da espécie, como a criação de diversas reservas e a aprovação de leis severas. Na legislação chinesa o panda-gigante é um Animal Protegido Classe 1. Caçar um panda é considerado um crime grave, com, no mínimo, 10 anos de detenção, apreensão de propriedade e, até 2011, resultava em pena de morte. Essas leis severas reduziram drasticamente a caça desses animais e sua população foi de 268 para 1.864 indivíduos entre 2003 e 2015.

Considerada uma espécie Ameaçada em 1990, passou a ser considerada Vulnerável em 2016, devido à sua população crescente ocasionada pela proteção in situ, aos inúmeros zoológicos e centros de conservação que abrigam pandas e aos 21 países que, atualmente, possuem pandas. Esse último caso, entretanto, se deve mais a relações diplomáticas do que à conservação dessa espécie, uma vez que receber um panda é muito mais do que abrigar um animal em um zoológico.

Panda se alimentando em um zoológico – Vídeo:  r/FunnyAnimals

Parte 2 – A Diplomacia

Pandas na Política Internacional

Origens

O ser humano possui uma longa história de admiração pela beleza dos pandas e, por ser um animal raro há séculos, sua pele e, mais ainda, indivíduos vivos, eram símbolos de status. A Imperatriz Dowager Bo, que faleceu em 155 A.C., foi enterrada junto a um crânio de um panda como uma forma de homenagem. Séculos depois, o netos do imperador Taizong de Tang (598 – 649) enviou ao Japão dois pandas e o couro de um outro indivíduo, iniciando assim a tradição de presentes envolvendo esses organismos. Durante o século XVII, diferentes povos aborígenes (das regiões de Szechuan e do Tibet) enviavam o couro desses ursos para os imperadores da Disnastia Qing como forma de tributo.

Diplomacia do Panda

Estátua de 2 mil anos escavada na China em 2013 representando um panda - Imagem: Imagechina/Rex Features
Estátua de 2 mil anos escavada na China em 2013 representando um panda – Imagem: Imagechina/Rex Features

Durante o início da era moderna, pandas eram ocasionalmente doados ou vendidos para outros países para demonstrar “boa fé” e amizade entre diferentes governos, sobretudo com os Estados Unidos. Mas os pandas passaram a ter um valor diplomático mais forte em 1941, quando o país estadunidense auxiliou a China na defesa contra o Japão, na Guerra Pacífico-Asiática, durante a Segunda Guerra Mundial. O panda, enviado como um agradecimento, voou até São Francisco e chegou no país horas após o bombardeamento de Pearl Harbor (no Havaí) pelo Japão, não obtendo a atenção pretendida pelo governo.

Diplomacia do Panda

John Tee-Van e Dr. David Graham observando um panda capturado na China em 1941. David Graham foi naturalista e um dos responsáveis pelo envio de pandas aos Estados Unidos e atuava como intermediário diplomático.
Por Wildlife Conservation Society via jamesflee.com
John Tee-Van e Dr. David Graham observando um panda capturado na China em 1941. David Graham foi naturalista e um dos responsáveis pelo envio de pandas aos Estados Unidos e atuava como intermediário diplomático.
Por Wildlife Conservation Society via jamesflee.com

Em 1949, om o fim da Guerra Civil Chinesa, a China foi dividida em dois governos. A República da China, que regia todo o território chinês, passou a governar apenas a ilha de Taiwan, com reconhecimento internacional limitado, enquanto a China continental passou a se chamar República Popular da China, ou RPC, com um novo governo socialista instaurado. Ambos os territórios utilizavam pandas como forma de diplomacia.

O governo da RPC rapidamente começou a presentear Estados com esses animais para ganhar apoios políticos, sobretudo durante a Guerra Fria, como forma de aliviar as tensões. Entre 1957 e 1983, 24 pandas foram doados para 9 diferentes nações, incluindo a União Soviética, a Coréia do Norte e os Estados Unidos, que doaram bisões-americanos (Bison bison) como forma de agradecimento e, depois disso, outros países passaram a adotar agradecimentos similares.

Diplomacia do Panda - Localização da China (República Popular da China) e de Taiwan (República da China) no mapa - Imagem de Livre Arbítrio
Localização da China (República Popular da China) e de Taiwan (República da China) no mapa – Imagem de Livre Arbítrio

Segundo fontes históricas, uma visita do Primeiro Ministro Britânico Edward Heath à China Continental, com apoio da Coroa, resultou em um pedido de pandas para o Zoológico de Londres, em 1974. Dessa forma, a grande tensão entre os “Estados Socialistas” e “Estados Capitalistas”, sobretudo EUA e Inglaterra conta a União Soviética, não afetou significativamente as relações com a China, que mantinha fortes relações comerciais e diplomáticas com todos os países envolvidos.

Edward Heath Panda
Primeiro Ministro Britânico Edward Heath com o novo panda do Zoológico de Londres, em 1974 – Por Priscila Roberts

Muito antes disso, em 1938, a própria Família Real Britânica recebeu um panda batizado de Ming, que foi alojado no Zoológico de Londres. Isso não só marcou boas relações entre os dois países, como, também, aproximou o público do reino desses animais e iniciou uma nova fase na Diplomacia do Panda, que possibilitou os tratados de 1941 com os EUA. Fotos de 1939 mostram membros da realeza, incluindo a própria Rainha Elizabeth, interagindo com um filhote dessa espécie de urso.

Diplomacia do Panda 
Família Real Britânica interagindo com um panda, em 1939. A Rainha Elizabeth pode ser vista em pé no canto direito da imagem, a segunda pessoa da direita para a esquerda. Imagem: Hulton Archive
Família Real Britânica interagindo com um panda, em 1939. A Rainha Elizabeth pode ser vista em pé no canto direito da imagem, a segunda pessoa da direita para a esquerda. Imagem: Hulton Archive
Diplomacia do Panda

O panda Ming brincando de futebol em 1938, no Zoológico de Londres - Imagem: Getty Images
O panda Ming brincando de futebol em 1938, no Zoológico de Londres – Imagem: Getty Images

Modernidade

Após 1984, o governo determinou que nenhum panda seria doado, e apenas emprestado, uma vez que alguns dos países que já possuíam pandas não tinham mais uma relação tão boa com o governo chinês. Dessa forma, pandas poderiam ser tomados de volta e, sobretudo, seriam uma fonte de lucro para o Estado. Inicialmente, uma taxa mensal de US$50.000,00 seria cobrada por urso, o que foi alterado em 1991, com empréstimos por um período de 10 anos, com uma taxa anual de 1 milhão de dólares por animal e com a regra de que cada panda nascido internacionalmente pertenceria à RPC.

Curiosamente, outros países rapidamente passaram a pedir pandas em empréstimo como uma sinalização do interesse de acordos econômicos com a China e de promover a aproximação entre diferentes países. Além disso, visitas à RPC por Chefes de Estado resultam, muitas vezes, em uma visita a um santuário de pandas e a fotos carregando esses animais, que representam a firmação de acordos e a aproximação entre os diferentes territórios, tanto para a população chinesa, quanto para a mídia internacional.

Diplomacia do Panda

Presidente da França Emmanuel Macron comemorando o nascimento de um panda - Imagem: 20minutes
Presidente da França Emmanuel Macron comemorando o nascimento de um panda – Imagem: 20minutes

Exceções aos empréstimos, entretanto, estão dentro da própria China. Em 2007, dois pandas foram dados de presente à Hong Kong (território autônomo dentro da China Continental) para reforçar as boas relações entre o governo socialista e essa Região Administrativa Especial (RAE).

Um caso mais extremo, entretanto, ocorreu em 1998 e, posteriormente, em 2005, quando a RPC ofereceu ao governo de Taiwan casais de pandas, em uma possível tentativa de reaproximação entre os dois territórios. Transferências internacionais de animais selvagens entre países passam por uma série de protocolos e regras, mediados pela Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (CITES), regras essas que não são necessárias quando a transferência ocorre apenas entre estados ou províncias de uma nação.

Durante as discussões para a transferência, a China ignorou os protocolos da CITES, enquanto Taiwan exigia sua adoção. Caso o país insular aceitasse os pandas sem a adoção dos protocolos, estaria afirmando para o mundo que não é um Estado independente da RPC e, por esse motivo, recusou a oferta. Para eles, o “presente” da República Popular era apenas parte do plano de ir contra a soberania de Taiwan e garantir uma anexação futura.

Em 2008, uma nova oferta foi feita ao governo de Taiwan, que aceitou um casal de pandas. A transferência, entretanto, foi realizada sem a mediação da CITES, uma vez que o governo de Taiwan não era signatário do documento, mas ocorreu baseada em acordos de comércio internacional da China.

Diplomacia do Panda

Panda Tuan Tuan, um dos pandas dados a Taiwan pela RPC, em sua festa de aniversário de 15 anos - Por Getty Images
Panda Tuan Tuan, um dos pandas dados a Taiwan pela RPC, em sua festa de aniversário de 15 anos – Por Getty Images

Justificativas

Nas últimas décadas, o crescente poder militar e econômico da China fizeram com que o país se tornasse uma superpotência mundial. Embora o país seja hoje indiscutivelmente uma das principais peças no cenário global, sua diplomacia era seu ponto mais fraco, sobretudo devido a denúncias de infringimento de direitos humanos por parte do governo.

A RPC, entretanto, usa a Diplomacia do Panda como sua principal arma política.

Visitas de chefes de Estado aos centros de conservação da espécie na China garantiram relações com vários países, incluindo acordos econômicos diretos, de mais de 10 anos de exclusividade de compra de um determinado produto e até investimentos militares.

Além disso, a conservação dos pandas garantiu que grande parte da população mudasse sua visão ambiental com relação ao país, uma vez que essa espécie carismática foi salva da extinção devido a ações da RPC. Para isso, o governo investe anualmente milhares de dólares na veiculação de imagens de pandas na mídia internacional, inclusive em plataformas proibidas na China. Aplicativos e sites como o Youtube, Instagram, TikTok, Kwai e o Twitter são bombardeados pela mídia estatal com imagens fofas que cativam a população de outros países e, consequentemente, seus governantes.

Diplomacia do Panda

Pandas em diversas diferentes redes sociais - Captura de tela do vídeo Why You Need a Panda to Become China’s Friend, do canal TerraMater, uma das principais fontes desse texto
Pandas em diversas diferentes redes sociais – Captura de tela do vídeo Why You Need a Panda to Become China’s Friend, do canal TerraMater, uma das principais fontes desse texto

Presidentes, Primeiros Ministros e Monarcas, além de quererem agradar a população, entendem que serão bem vistos internacionalmente, tanto por outros governantes, quanto pela população da RDC, se forem vistos acompanhados de pandas, pois isso indica a aproximação com o gigante asiático. Nos últimos anos, além de Angela Merkel e Emmanuel Macron, pandas foram fotografados ao lado de Michelle Obama (ex-Primeira Dama dos EUA), Vladimir Putin (Presidente da Rússia), Justin Trudeau (Primeiro-Ministro do Canadá), Melania Trump (ex-Primeira Dama dos EUA), Alexander van der Bellen (Presidente da Áustria) e pela Família Real da Bélgica.

Diplomacia do Panda

Michelle Obama e sua mãe Marian Robinson na Giant Panda Research Base em Chengdu, província de Sichuan, 26 de março de 2014.
 Imagem: REUTERS/Petar Kujundzic
Michelle Obama e sua mãe Marian Robinson na Giant Panda Research Base em Chengdu, província de Sichuan, 26 de março de 2014.
Imagem: REUTERS/Petar Kujundzic
Diplomacia do Panda

Xi Jinping e Vladimir Putin na cerimônia de abertura de um recinto de pandas no Zoológico de Moscou em 2019
Imagem: Kuang Linhua/China Daily
Xi Jinping e Vladimir Putin na cerimônia de abertura de um recinto de pandas no Zoológico de Moscou em 2019
Imagem: Kuang Linhua/China Daily
Diplomacia do Panda

Primeiro Ministro Trudeau com os pandas Canadian Hope e Canadian Joy na sua cerimônia de nomeação no Zoológico de Toronto Zoo em 2016
Imagem: Adam Scotti (PMO)
Primeiro Ministro Trudeau com os pandas Canadian Hope e Canadian Joy na sua cerimônia de nomeação no Zoológico de Toronto Zoo em 2016
Imagem: Adam Scotti (PMO)
Diplomacia do Panda

Melania Trump alimetando panda chamado GuGu em uma viagem à China 
Imagem: Twitter/Melania Trump
Melania Trump alimentando um panda chamado GuGu em uma viagem à China
Imagem: Twitter/Melania Trump
Diplomacia do Panda

Presidente Alexander Van der Bellen e Primeiro-Ministro Sebastian Kurz visitam pandas em Chengdu em 2018
Imagem: Foto: APA/BUNDESKANZLERAMT/DRAGAN TATIC
Presidente Alexander Van der Bellen e Primeiro-Ministro Sebastian Kurz visitam pandas em Chengdu em 2018
Imagem: Foto: APA/BUNDESKANZLERAMT/DRAGAN TATIC
Diplomacia do Panda

Presidente Xi Jinping, sua esposa Peng Liyuan, Rei Philippe da Bélgica, Rainha Mathilde e Primeiro Ministro Elio Di Rupo visitando panda no zoológico da Bélgica, em 2014, pouco antes da inalguração do recinto. Imagem: Xinhua
Presidente Xi Jinping, sua esposa Peng Liyuan, Rei Philippe da Bélgica, Rainha Mathilde e Primeiro Ministro Elio Di Rupo (esquerda) visitando panda no zoológico da Bélgica, em 2014, pouco antes da inalguração do recinto. Imagem: Xinhua

Atualmente, 21 países, além da China Continental, possuem pandas emprestados ou doados (Taiwan e México possuem pandas próprios recebidos na época em que pandas eram doados) sendo eles:

  • Alemanha
  • Austrália
  • Bélgica
  • Canadá
  • Catar
  • Coréia do Sul
  • Dinamarca
  • Escócia
  • Espanha
  • Estados Unidos
  • Finlância
  • França
  • Indonésia
  • Japão
  • Malásia
  • México
  • Países Baixos
  • Rússia
  • Singapura
  • Tailândia
  • Taiwan (República da China)

Consequências

Embora a Diplomacia do Panda seja uma prática política, ela promove diversos benefícios para a conservação. Além do número crescente de pandas selvagens e do grande pool gênico em zoológicos pelo mundo, que contribuem para a conservação da espécie outrora Ameaçada de acordo com a IUCN, a conservação do panda in situ na China contribui para a preservação de 70% das espécies de aves florestais do país, 70% dos mamíferos e 31% dos anfíbios.

Diplomacia do Panda

Anúncio do nascimento de 23 pandas-gigantes em 2016 na Base de Pesquisa de Chengdu - Imagem: Visual China Group via Getty Images
Anúncio do nascimento de 23 pandas-gigantes em 2016 na Base de Pesquisa de Chengdu – Imagem: Visual China Group via Getty Images
Diplomacia do Panda

População de Pandas em cativeiro ao longo do tempo - Por Giant Panda Studbook; FT research
População de Pandas em cativeiro ao longo do tempo – Por Giant Panda Studbook; FT research

Em contrapartida, o foco central na diplomacia, e não na conservação, faz com que o futuro para a espécie dependa de acordos econômicos, que muitas vezes não garantem seu bem estar. Denúncias apontam que os pandas enviados para a Tailândia, por exemplo, já sofreram maus tratos, o que vai contra as normas de posse da espécie. Infelizmente essa atitude não foi repreendida pela RPC para não abalar acordos econômicos entre os países. Além disso, a China ainda falha na reintrodução do panda na natureza, que não costuma dar certo.

A Diplomacia do Panda é, portanto, uma estranha relação entre a China e outros países que, embora auxilie na conservação de um dos animais mais famosos do planeta, coloca seu bem estar e sua sobrevivência na natureza em segundo plano. Com o número crescente de pandas em cativeiro e de países que demonstram interesse em ter um panda (com todos os benefícios que isso acarreta), o futuro da espécie depende da cooperação internacional, acordos econômicos e, mais estranhamente, do amor das pessoas por esse urso desastrado que, por nossa culpa, coloca sua própria sobrevivência em risco.

Diplomacia do Panda

Filhote de panda se jogando da plataforma durante anúncio do nascimento de 23 pandas-gigantes em 2016 na Base de Pesquisa de Chengdu - Imagem: Visual China Group via Getty Images
Filhote de panda se jogando da plataforma durante anúncio do nascimento de 23 pandas-gigantes em 2016 na Base de Pesquisa de Chengdu – Imagem: Visual China Group via Getty Images

Referências

Kretzoiarctos beatrix

Abella, J., Alba, D. M., Robles, J. M., Valenciano, A., Rotgers, C., Carmona, R., … & Morales, J. (2012). Kretzoiarctos gen. nov., the oldest member of the giant panda clade. PLoS One, 7(11), e48985.

Ailuropoda microta

Pei, Wen-chung (1962). “Guǎngxī liǔchéng jù yuán dòng jí qítā shāndòng de dì sì jì bǔrǔ dòngwù” 广西柳城巨猿洞及其他山洞的第四纪哺乳动物 [Quaternary Mammals from the Liucheng Gigantopithecus Cave and Other Caves of Kwangsi] (PDF). Vertebrata PalAsiatica6 (3): 211–218

 Jin, Changzhu; Russell L. Ciochon; Wei Dong; Robert M. Hunt Jr.; Jinyi Liu; Marc Jaeger & Qizhi Zhu (2007-06-26). “The first skull of the earliest giant panda”Proceedings of the National Academy of Sciences104 (26): 10932–10937

Miomaci pannonicum

de Bonis; Abella; Merceron; Begun, Louis; Juan; Gildas; David (October 2017). “A new late Miocene ailuropodine (Giant Panda) from Rudabánya (North-central Hungary)”Geobios: 24.

Panda-gigante – Ailuropoda melanoleuca

Abella, J., Pérez-Ramos, A., Valenciano, A., Alba, D. M., Ercoli, M. D., Hontecillas, D., … & Morales, J. (2015). Tracing the origin of the panda’s thumb. The Science of Nature, 102(5-6), 35.

Figueirido, B., Palmqvist, P., Pérez-Claros, J. A., & Dong, W. (2011). Cranial shape transformation in the evolution of the giant panda (Ailuropoda melanoleuca). Naturwissenschaften, 98(2), 107-116.

Han, H., Wei, W., Hu, Y., Nie, Y., Ji, X., Yan, L., … & Chen, W. (2019). Diet evolution and habitat contraction of giant pandas via stable isotope analysis. Current Biology, 29(4), 664-669.

Hunt Jr, R. M. (2004). A paleontologist’s perspective on the origin and relationships of the giant panda. Giant pandas: biology and conservation, 308.

Jin, C., Ciochon, R. L., Dong, W., Hunt, R. M., Liu, J., Jaeger, M., & Zhu, Q. (2007). The first skull of the earliest giant panda. Proceedings of the National Academy of Sciences, 104(26), 10932-10937.

Nie, Y., Wei, F., Zhou, W., Hu, Y., Senior, A. M., Wu, Q., … & Raubenheimer, D. (2019). Giant pandas are macronutritional carnivores. Current Biology, 29(10), 1677-1682.

Wang, X., Su, D.F., Jablonski, N.G. et al. Earliest giant panda false thumb suggests conflicting demands for locomotion and feeding. Sci Rep 12, 10538 (2022). https://doi.org/10.1038/s41598-022-13402-y

Xue, Z., Zhang, W., Wang, L., Hou, R., Zhang, M., Fei, L., … & Jiang, C. (2015). The bamboo-eating giant panda harbors a carnivore-like gut microbiota, with excessive seasonal variations. MBio, 6(3), e00022-15.

Zhu, L., Wu, Q., Dai, J., Zhang, S., & Wei, F. (2011). Evidence of cellulose metabolism by the giant panda gut microbiome. Proceedings of the National Academy of Sciences, 108(43), 17714-17719.

Gigantopithecus blacki

Kono, R. T.; Zhang, Y.; Jin, C.; Takai, M.; Suwa, G. (2014). “A 3-dimensional assessment of molar enamel thickness and distribution pattern in Gigantopithecus blacki“. Quaternary International354: 46–51.

Zhang Y, Harrison T. Gigantopithecus blacki: a giant ape from the Pleistocene of Asia revisited. Am J Phys Anthropol. 2017 Jan;162 Suppl 63:153-177.

Diplomacia do Panda

Financial Times | Panda politics: the hard truth about China’s cuddliest diplomat

Panda Odyssey

China and Taiwan: A really simple guide

Review of Chi-Kwan Mark, “Waiting for the Dust to Settle: Anglo-Chinese Normalization and Nixon’s Historic Trip to China, 1971-1972,” Diplomatic History 39:5 (2015), 876-903. H-Diplo Article Review 607 (April 19, 2016), 1-5. http://tiny.cc/AR607.

What Is the Punishment for Killing a Panda in China? – China Law in One Minute

China’s new phase of panda diplomacy

Michelle Obama alimenta pandas em reserva no sudoeste da China

Xi, Putin cement ties in Moscow | #AsiaNewsNetwork

Where you’ll find Britain’s only panda and why London Zoo doesn’t have one

Taiwan invites Chinese vets to treat beloved panda

Emmanuel Macron a rencontré le bébé panda Yuan Meng au zoo de Beauval

Prime Minister Justin Trudeau delivers remarks during the panda naming ceremony at the Toronto Zoo

Melania goes gaga for Gu Gu! First Lady shows no fear as she meets adorable, 240lb Chinese panda that has already MAULED three people

Österreich-Delegation in China: Panda und Pferd

Chinese, Belgian heads of state launch panda house

China’s Xi talks missiles and pandas in Berlin

Cao, D. (2015). Pandamonium: Wildlife Law. In: Animals in China. The Palgrave Macmillan Animal Ethics Series. Palgrave Macmillan, London.

Silly Baby Panda Falls Flat on Its Face During Public Debut of 23 Giant Panda Cubs in China

Li, Xiaobing (2012). China at War: An Encyclopedia

Giant Panda – IUCN

Vídeos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *