Ecovoria – Conheça o hábito alimentar que, através do consumo de carne, quer ajudar o meio ambiente

Imagine um clássico domingo em família. Sol, piscina, música e muita cerveja gelada. Para acompanhar, não poderia faltar um churrasco com uma boa carne de capivara, né? Por mais estranho que isso possa parecer para nós, brasileiros, essa é uma prática crescente em todo o planeta, na qual comer animais nativos ou invasores pode ser uma opção muito mais sustentável que a tradicional carne de criação. É a chamada ecovoria (tradução livre de ecovore), prática que se opõe ao veganismo mas que, para muitos, pode ser a chave para a conservação dos nossos ecossistemas e para um consumo consciente.

Asia's growing appetite for kangaroo
Comer carne para ajudar o ambiente? Segundo os ecóvoros, isso é possível! – Prato feito com carne de canguru, mais ecológica e mais saudável que a carne bovina – Por Jacqui Way

Para entender essa prática, precisamos conhecer um pouco da história da Austrália, um país isolado que, por milhares de anos, utilizou a carne de canguru como forma de sustento. Como já contamos anteriormente em nosso site, o ser humano chegou nesse território há cerca de 65 mil anos e, desde então, extinguiu cerca de 85% da sua megafauna, com destaque para os grandes predadores que ali viviam. Além disso, o constante uso de fogo transformou as grandes florestas tropicais secas no interior do continente em pradarias e regiões semi-áridas.

Late Quaternary megafaunal extinctions on the continents: a short ...
Alguns representantes da megafauna australiana extinta (em preto) e vivente (em cinza)          Por Stuart (2015)

A redução drástica no número de predadores e a transformação de florestas em ambientes abertos favoreceram o canguru-vermelho (Osphranter rufus), que teve um crescimento populacional significativo. Com pouquíssimos predadores, sem competição com outros grandes herbívoros e com uma alta taxa reprodutiva, o impacto da caça pela população nativa não diminuiu sua população, que até a chegada dos europeus era controlada principalmente pela disponibilidade de água na Austrália. Após o início da agricultura nos moldes ocidentais a partir de 1770, entretanto, grandes sistemas de irrigação foram construídos, levando água para as regiões desérticas. Nesse momento, o número de cangurus explodiu novamente, levando a mais de 45 milhões de indivíduos no dia de hoje (o dobro da população humana no local).

Extinction around the world: Thylacine and Thylacoleo
O Thylacoleo carnifex era um grande marsupial carnívoro que caçava cangurus, que foi extinto após a chegada humana no continente – Por Maurício Antón
A herd of Diprotodon being stalked by the giant lizard, Megalania ...
O megalania (Varanus priscus) era um grande lagarto peçonhento que se alimentava de cangurus e dos  grandes Diprotodon (ao fundo) – Por Laurie Beirne
Os grandes bandos de cangurus ameaçam plantações por toda a Austrália – Por John Feder

Como controlar uma população crescente desses grandes animais, que não só causam acidentes envolvendo veículos, mas também causam enormes prejuízos para a agricultura do país e que competem com diversas espécies menores e, muitas vezes, ameaçadas de extinção? Além de custosa, a esterilização não funciona para controlar o número de cangurus e, por esse motivo, a caça é a opção adotada pelo governo. Além de contratar caçadores em determinadas épocas, o governo australiano incentiva a caça de canguru para o consumo, uma vez que a caça tradicional desperdiça toneladas de carne que poderiam servir para alimentar os habitantes do país.

Australian National University’s George Wilson says with adequate kangaroo meat pricing producers could run 24 kangaroos for the same meat as one steer with additional benefits of reduced physical landscape impacts and water demands.
Além de ameaçar a agricultura, os cangurus criam uma enorme pressão nas populações de espécies ameaçadas – Por Lucy Kinbacher

Nesse caso, a caça é a única alternativa para preservar o equilíbrio dos ecossistemas australianos e, portanto, necessária. Por outro lado, assim como no Brasil, o consumo de carne na Austrália demanda muitos recursos, destrói florestas e pradarias para a criação de pastos e destina toneladas de alimentos para a indústria pecuária. Dessa forma, o governo australiano incentiva que a população civil cace e coma cangurus, que devem ser mortos seguindo um protocolo muito rígido, de forma a minimizar o sofrimento do animal. Foi assim que surgiram os “kangatarians” (neologismo que brinca com as palavras “canguru” e “vegetariano”; não consegui pensar em uma boa tradução: cangutarianos? cangurívoros?), pessoas que trocaram o consumo tradicional de carne de criação pela carne de canguru, uma vez que ela não só não gera impactos negativos para o planeta, como também cria um destino para toneladas de carne de canguru que iriam parar no lixo.

the art of the colonial kangaroo hunt
Pintura de  Edward Roper (1880) retratando a caça de cangurus 

Todos os anos, a população de cangurus é contabilizada e um número máximo de animais a serem abatidos é estabelecido. Das 48 espécies de macrópodes da Austrália, apenas 6 podem ser abatidas. Devido à crescente demanda, diversas empresas se especializaram em caçar cangurus e oferecer sua carne para os supermercados e, dessa forma, o consumo de carnes tradicionais vem caindo no país. Por dar destino a toneladas de alimento que iriam ser descartadas e por reduzir os impactos ambientais de seu consumo, muitos kangatarians se consideram mais ecologicamente corretos do que os veganos, afirmação que gera muita polêmica no país.

Cangurus são caçados na Austrália há pelo menos 50 mil anos – Pintura de John Clark Ridpath, 1897

 

Foi pensando nessa polêmica que alguns australianos criaram uma vertente alimentar totalmente voltada para o meio ambiente. Os ecóvoros (ecovores, em inglês) são um grupo de pessoas que, mesmo que com diversos pensamentos muito similares aos dos veganos, tentam utilizar sua alimentação como uma forma de resolver problemas ambientais. Na maior parte do tempo, possuem uma alimentação vegana, não comendo nem utilizando nenhum produto originário de animais de criação, como carne de boi, porco e frango, além de leite e ovos. Entretanto, esses indivíduos comem carne de animais de vida livre, desde que esse consumo beneficie o ambiente. Além do exemplo do canguru que citei anteriormente, essas pessoas também comem determinados animais invasores, como coelhos, veados (nos países que possuem cervídeos invasores), peixes-leão, cabras, capivaras e javalis. Espécies invasoras são uma das principais ameaças para a biodiversidade do planeta e sua erradicação fora dos seus ambientes nativos é extremamente recomendada. Portanto, comer sua carne é, para os ecóvoros, a melhor forma de se ter uma alimentação consciente.

Common lionfish at Shaab El Erg reef (landscape crop).JPG
O peixe-leão (Pterois spp.) é um invasor no Oceano Atlântico. No Caribe, diversos países incentivam o consumo de sua carne para reduzir a sua população – Por Alexander Vasenin

Além do consumo de carnes de animais invasores ou com superpopulação, os ecóvoros não consomem alimentos produzidos de forma destrutiva. Óleo de palma e de coco, chocolate, chá, café e palmito, por exemplo, só devem ser consumidos se tiverem selos que comprovem que toda a sua produção foi ecologicamente correta, com o reflorestamento de uma área equivalente à área desmatada para o plantio ou que venham de agroflorestas.

Plantação de cacau em uma agrofloresta na Bolívia – Por Ivan Chita

Em adição, a dieta ecóvora pode ser uma alternativa para aqueles indivíduos que querem ter um consumo mais consciente, mas que também não querem abrir mão totalmente de carnes. Um ponto importante da dieta, entretanto, é a retirada do protagonismo animal da alimentação. Enquanto a maioria das culturas ocidentais colocam a carne como um alimento essencial e a parte principal de todo cardápio, um ecóvoro deve comer carne apenas esporadicamente, e sempre de forma consciente.

Assim como toda dieta, a ecovoria possui alguns pontos polêmicos. Primeiramente, muitos veganos e vegetarianos questionam a forma “humana” de matar esses animais por meio da caça. Mesmo com protocolos para uma caça que minimize a dor ao máximo, nada justificaria tirar a vida desses animais, mesmo que para a conservação. Outros, ainda, afirmam que a fiscalização seria inefetiva, e que, de uma maneira ou de outra, muitos animais acabariam sofrendo. A procura por esses diferentes tipos de carne poderiam, inclusive, financiar o mercado ilegal da caça de espécies nativas, uma vez que a mesma pessoa poderia matar os diferentes tipos de animais.

An eastern grey kangaroo (right) and the guidelines on the humane killing of kangaroos.
Cangurus devem ser mortos seguindo um protocolo rígido proposto pelo governo australiano, desenvolvido a partir do “National Code of Practice for the Humane Shotting of Kangaroos and Wallabies for Non-Commercial Purposes”

Alguns ecóvoros afirmam que, em um cenário ideal, com essa prática poderíamos abolir completamente o espaço destinado, de forma direta ou indireta, à pecuária (até 70% da área rural de alguns países). Se revertidas para seus ecossistemas originais, essas áreas seriam fazendas ao ar livre, com diversas espécies selvagens que poderiam ser caçadas de forma ética, com estimativas populacionais anuais para saber quanto de cada espécie poderia ser abatido por ano, inclusive de espécies nativas com populações crescentes, como cangurus na Austrália, capivaras no Brasil (caça ainda não regulamentada) ou cervos nos Estados Unidos.

_1090961
Capivaras são muito apreciadas pela comunidade local em algumas regiões, mais sua caça é atualmente proibida no Brasil – Tanya Durrant

Essa é uma discussão extremamente complexa, sobretudo devido ao surgimento muito recente desse movimento. Para mim, sua ideia é muito interessante, mas ainda não poderia ser aplicada em todos os países. No Brasil, por exemplo, possuímos diversas populações de animais exóticos introduzidos (como javalis) ou ferais (animais domésticos que criaram uma população viável na natureza, como é o caso de búfalos na região Norte), cuja caça é, sob determinadas circunstâncias, permitida. Entretanto, ao contrário do que ocorre na Austrália, toda a carne exótica encontrada nos supermercados provém de animais de criação. Aumentar a demanda por carne de javali, por exemplo, pode aumentar a produção em cativeiro desses animais com potencial invasor, o que agravaria o problema que a ecovoria se propõe a destruir. No caso de espécies nativas (como a capivara, que citei anteriormente), a situação é ainda pior devido à falta de fiscalização. As carnes de espécies nativas vêm de cativeiro (o que salvou várias espécies da extinção, como nossos jacarés) e o controle de quais animais podem ou não ser caçados é pouco eficaz. Infelizmente, acredito que a prática da ecovoria no Brasil iria apenas fortalecer a caça de animais silvestres, pelo menos no presente. Por outro lado, a maioria dos conservacionistas é contra a proibição da caça de javalis no país e poderia ser interessante destinar essa carne para o mercado.

FAEP coordena ações para controle efetivo de javalis ...
Os javalis estão se tornando um enorme problema ambiental no país que, infelizmente, ainda é ignorado – Por Sistema FAEP/SENAR-PR

Mesmo com suas falhas, o vegetarianismo, o veganismo, o kangatarianismo e a ecovoria são práticas alimentares que, em sua maior parte, visam a reduzir os impactos humanos no planeta. Nos últimos anos, o mercado vegetariano e vegano ganhou muita força no Brasil, com cada vez mais produtos sendo oferecidos para essa parcela da população, produtos esses que, pouco a pouco, vão entrando na alimentação de não-veganos e substituindo os produtos originários de animais de criação utilizados no dia-a-dia. Quem sabe, daqui a alguns anos, a carne de caça de animais invasores vai se tornar um alimento mais comum, e mais pessoas possam ajudar o meio ambiente por meio do consumo de carne consciente.

E aí, o que acharam dessa ideia? Nos contem no nosso Instagram!

 

Leia também:

Austrália em Chamas – Parte 1: Uma ilha moldada pelo fogo

Espécies exterminadas – Conheça quatro animais outrora extremamente comuns que desapareceram devido a políticas governamentais

Florestas Vazias – Descubra por que a vida está desaparecendo em nossas matas

O Fim dos Gigantes – Conheça o papel do ser humano na extinção dos animais pré-históricos

O mar não está para peixe – Como a pescaria está matando nossos oceanos

Os melhores amigos do homem? – Como cães e gatos podem prejudicar nossos ecossistemas

Aliens entre nós

 

Referências

https://www.theland.com.au/story/5722389/researcher-says-kangaroo-industry-could-be-answer-to-carbon-emissions/

https://www.cnabrasil.org.br/noticias/faep-coordena-acoes-para-controle-efetivo-de-javalis

https://www.themonthly.com.au/issue/2015/july/1435672800/sam-vincent/culling-season#mtr

https://ecovore.wordpress.com/

http://www.angelfire.com/ult/ecovore/

Porque não podemos proibir a caça do javali no Brasil

https://theconversation.com/did-fire-kill-off-australias-megafauna-19679

https://www.nature.com/articles/ncomms14142

https://www.pnas.org/content/113/4/838

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2684593/

https://royalsocietypublishing.org/doi/10.1098/rstb.2017.0443

https://www.ft.com/content/c068339e-3c55-11ea-b232-000f4477fbca

 

 

2 comentários em “Ecovoria – Conheça o hábito alimentar que, através do consumo de carne, quer ajudar o meio ambiente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: