Antártida Verde – Parte 2: Descubra como esse continente está se tornando verde novamente, mas não só da forma que você imagina

Na semana passada, exploramos a história geológica da Antártida e descobrimos como esse continente repleto de florestas tropicais se transformou na região mais inóspita de nosso planeta. Há apenas 2 milhões de anos, suas últimas árvores desapareceram, juntamente com as últimas pradarias. O interior do continente tornou-se cada vez mais seco e inabitável e, lentamente, a vida praticamente sumiu. Hoje, 98% da Antártida estão cobertos por mais de 2 quilômetros de gelo. Entretanto, enquanto a vida desaparecia em terra firme, os seus oceanos se enchiam de vida. As águas mais fundas do Oceano Austral, ricas em nutrientes, são constantemente puxadas para a superfície pela Corrente Circumpolar Antárctica, o que permite mares extremamente diversos e com uma das maiores concentrações de organismos do mundo (mais de 155.000 podem ser encontrados em apenas 1 metro quadrado do solo submerso). Apesar disso, o continente vem sofrendo com um estranho fenômeno. Nos últimos 60 anos, a diversidade sob o gelo vem decaindo drasticamente, enquanto, pouco a pouco, mais áreas verdes transformam a Antártida. Descubra a seguir como esse território está se tornando verde novamente e porque isso não é uma coisa boa.

Camadas de gelo com quilômetros de espessura cobrem 98% do continente – Foto por ravas51, Flickr.
Diving below the Antarctic Ice Sheet with No Escape | Seven Worlds ...
O Oceano Austral possui uma das maiores densidades de organismos do planeta – Foto por BBC

Desde 2015, cientistas de Cambridge e de diversas universidades do Chile vêm estudando um fenômeno conhecido há muitos anos, mas que tem se espalhado por todo o continente: a neve verde! Causada por florações de algas endêmicas do continente que crescem exclusivamente em cima do gelo, a neve verde sempre esteve presente na região da Península Antártica. Buscando entender sua ecologia, esses pesquisadores analisaram imagens de satélites para determinar a localização e as mudanças sazonais em sua área de ocorrência. No verão de 2019, detectaram uma área de 1.95 × 106 mcoberta pela alga apenas na península, que equivale a cerca de 1.3 × 10de toneladas de biomassa.

IMAGE
Por Sarah Vincent

Isso significa que, durante seu crescimento, toneladas de carbono são aprisionadas em uma área onde plantas são praticamente inexistentes. Além disso, todos os anos um maior número de áreas verdes é encontrado, cada vez mais ao sul do continente, criando pradarias de algas, um ecossistema inexistente em qualquer outro local do mundo. Embora pareça uma coisa boa, essa expansão gradual de algas para o interior do continente está diretamente associada à temperatura crescente da área, uma vez que esses organismos não sobrevivem no frio extremo.

Enormes áreas verdes já são encontradas no interior do continente – Por NASA Earth Observatory / Norman Kuring

Além de serem um indicador da má qualidade ambiental, essas áreas verdes também contribuem para o aquecimento do planeta. Ao reduzirem a cobertura branca da Antártida, e substituindo por um tapete verde, uma menor quantidade de radiação solar é refletida para fora da terra, uma vez que a cor verde absorve a luz de todos os comprimentos de onda, com exceção do verde. Dessa forma, o gelo embaixo da alga fica muito mais quente, o que contribui para a aceleração de seu derretimento, agravando ainda mais esse problema.

Remote sensing reveals Antarctic green snow algae as important ...
As zonas cobertas pela neve verde perdem sua capacidade de refletir a maioria dos raios solares, o que acelera seu aquecimento – Por Gray et. al.

Nunca conhecemos tanto a Antártida quanto hoje e, por esse motivo, todos os anos descobrimos novas espécies no continente. Mesmo assim, a densidade de animais marinhos tem caído de forma drástica em algumas regiões, em resposta ao aumento da temperatura das águas no verão. Em contrapartida, o aquecimento do planeta tem contribuído também para o aumento da diversidade em terra firme. Apenas 0.18% do território do continente estão livres de gelo, dos quais apenas 1.34% estão cobertos por vegetais. Pouco mais de 100 espécies de musgos e 2 de angiospermas vivem no continente. Além de poucos invertebrados, os únicos animais terrestres nativos são aves marinhas, com destaque para quatro espécies de pinguins.

Penguin chicks rescued by unlikely hero | Spy In The Snow | BBC ...
Filhotes de pinguins-imperadores sendo caçados por um petrel – Por BBC

Nos últimos anos, entretanto, gramíneas vêm se espalhando pelo continente, incluindo uma espécie nativa e diversas invasoras. Juntamente com a expansão vegetal, novos animais também se adaptam ao ambiente, sobretudo nas ilhas em seu entorno, onde ratos, gatos, ovelhas, raposas e até mesmo renas contribuem para o pisoteamento da neve, derretimento do gelo e extinção local de inúmeras espécies. Com o aumento gradativo da temperatura do planeta, espera-se que, pouco a pouco, mais plantas dominem a paisagem, contribuindo ainda mais para o aquecimento do continente, ao escurecê-lo.

Musgos antárticos – Por Melinda Waterman

 

Summer Grass
South Shetland Islands no verão – Por CSUN
A população do pinguim-de-barbicha (Pygoscelis antarcticus) caiu 70% nos últimos 50 anos devido às mudanças em seu ambiente – Por Christian Aslund
A field guide to the wildlife of South Georgia with 350 colour ...
A ilha Geórgia do Sul sofre com uma população crescente de renas – Por Robert Burton

Descoberta em 1675, a Antártida continua sendo um dos ambientes mais inexplorados da Terra. Nossos impactos ambientais, mesmo que distantes, abalam diretamente esse continente que, pouco a pouco, perde suas características. A maior parte das correntes oceânicas do planeta, bem como do clima global são influenciadas diretamente por esse ambiente, que está desaparecendo antes mesmo que possamos compreendê-lo. Resta às gerações futuras lutar para que esse lugar não se torne verde novamente.

Leia também

Antártida Verde – Parte 1: Descubra como as florestas desapareceram desse continente gelado

Buraco na Camada de Ozônio: foi apenas uma modinha?

A volta das baleias – Como a proibição mundial da caça conseguiu salvar dezenas de espécies da extinção

Saara – O paraíso transformado em deserto

O Impacto Por Trás das Manchetes: Como as mudanças climáticas já estão afetando a vida no planeta

5 curiosidades e 30 fatos sobre mudança climática que você precisa saber

Guerra à Ciência – Parte III – Aquecimento Global e seus opositores

Referências

https://blog.csiro.au/gardens-in-the-ice-the-flora-of-antarctica/

https://www.dailymail.co.uk/news/article-2154426/Its-snow-area-Penguins-living-unusually-green-pleasant-land-wait-winter-begin.html

https://www.irishnews.com/magazine/science/2020/02/11/news/chinstrap-penguin-numbers-fall-as-climate-change-bites-researchers-1839141/

https://www.nature.com/articles/s41467-020-16018-w

https://www.eurekalert.org/pub_releases/2020-05/uoc-cc051520.php

https://www.accuweather.com/en/weather-news/green-snow-to-become-a-more-regular-occurrence-in-antarctica/744433

https://www.cnet.com/news/antarcticas-weird-bright-green-snow-set-to-spread-as-a-result-of-climate-change/

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: