Antártida Verde – Parte 1: Descubra como as florestas desapareceram desse continente gelado

De todos os continentes do nosso planeta, a Antártida é, sem dúvida, o mais inóspito. Esse enorme deserto gelado recebe em média 200 mm de chuva por ano (a última chuva em algumas regiões ocorreu há mais de 2 milhões de anos). Com temperaturas que chegam a  −94.7 °C e com meses de quase completa escuridão, é de se esperar que a vida terrestre nesse local seja apenas uma fração da encontrada em qualquer outro continente. Mas nem sempre foi assim. Durante  parte da história da Terra, a Antártida foi o lar de uma enorme biodiversidade, que desapareceu rapidamente à medida que o continente congelou. Nos milhões de anos seguintes, um complexo ecossistema marinho se formou no entorno de seu gelo, criando uma fauna completamente única. Entretanto, após mais de 50 milhões de relativa estabilidade, uma nova extinção em massa ameaça o continente.

Descubra nessa mini-série de textos por que a Antártida deixou de ser verde (e por que ela está se tornando verde novamente!)


 

Em “A Teoria de Tudo que Está Vivo“, contamos de forma breve como diversos grupos de organismos surgiram e se espalharam pelo planeta. Após a quebra do supercontinente Pangea, durante a era Mesozoica, a região ao sul (denominada Gondwana) permaneceu junta por milhões de anos, tempo em que diversos animais e plantas se diversificaram. Por estar muito mais ao norte que hoje em dia, a temperatura média da Antártida não era tão diferente da de outras regiões da Gondwana e, por esse motivo, ela tinha uma fauna e uma flora semelhantes. Dados fósseis do período Jurássico (entre 200 e 145 milhões de anos atrás) mostram que essa região era extremamente biodiversa, com grandes dinossauros, aves, anfíbios e mamíferos vivendo em uma vasta floresta temperada.

Jurassic period
Terra durante o período Jurássico – Imagem retirada do site dinosaursearch
Imagem
Cryolophosaurus ellioti, um grande dinossauro carnívoro caminhando por uma floresta da Antártida – Por Harrison Keller Pyle

No meio do período Cretáceo, há cerca de 100 milhões de anos, a África havia migrado para o norte, se desprendendo dos outros continentes da Gondwana. Progressivamente, a Antártida foi se aproximando da sua posição atual e, há cerca de 50 milhões de anos, atingiu a parte mais ao sul do planeta. Nesse momento, ela ainda estava muito próxima da América do Sul e conectada à Austrália. Essa conexão foi determinante para a fauna e a flora desses continentes, uma vez que diversos grupos de animais se originaram na América do Sul e migraram para a Austrália através da Antártida e vice-versa. Além de araucárias e quelônios gigantes, podemos destacar os marsupiais. Originados na América do Sul, colonizaram a Antártida e atingiram a Austrália, onde apresentam sua maior diversidade na atualidade.

Cretaceous Period | Definition, Climate, Dinosaurs, & Map | Britannica
Mapa durante o período Cretáceo. Embora já separadas, a Antártida e a América do Sul trocavam espécies constantemente através de ilhas em seus mares rasos
When dinosaurs roamed Antarctica | BBC Earth
Antártida durante o Cretáceo, dominada por Araucárias – Por BBC
Southern Cross(ings) – The Rafting Monkey
Rota de migração entre América do Sul e Austrália – Por The Rafting Monkey

 

Foi nesse período que o planeta atingiu suas maiores temperaturas da história, evento conhecido como Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno, no qual o planeta aqueceu mais de 6ºC em apenas 20 mil anos. Com a temperatura média de 23 °C (em contraste aos 14ºC atuais), enormes florestas se estendiam do Ártico até as porções mais austrais da Antártida. Além de palmeiras e samambaias gigantes, uma enorme diversidade de répteis, aves e mamíferos tomava conta desse continente massivo. Ainda maior que a Austrália, essa região possuía uma grande variedade de biomas, com montanhas cobertas de neve, florestas temperadas úmidas e florestas tropicais extremamente chuvosas, cercadas por um mosaico de planícies semi-áridas.

Hyperthermals: What can they tell us about modern global warming ...
PETM – Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno, registrou as maiores temperaturas médias do planeta (no gráfico, mostra-se a temperatura dos oceanos) – Por Smithsonian
Mapa hipotético dos biomas de uma Antártida sem gelo – Por Centralen

A fauna local também não era menos diversa que a dos continentes vizinhos. Marsupiais dividiam o ambiente com aves semelhantes a emas e com jabutis gigantes, que viviam nas porções mais quentes da região. Fósseis de bolas de fezes da área mostram a presença de besouros “rola-bosta”, que depositavam seus ovos no excremento de grandes herbívoros, como o Notiolofos e o Antarctodon, ungulados pastadores parente das Macrauchenias sul-americanas. Ossos isolados demonstram também a presença de Xenarthros no continente, grupo que surgiu na América do Sul e que inclui preguiças, tatus e tamanduás. Enormes pegadas de aves também indicam a existência de aves-do-terror (Phorusrhacidae) no continente, animais parentes das atuais seriemas que, por milhões de anos, foram os principais predadores na região Neotropical do planeta. Os pinguins, originários da Nova Zelândia, chegaram à costa da Antártida nessa época, e lá se diversificaram em dezenas de espécies.

Sem título
Imagem presente no artigo “Antarctic Peninsula and South America (Patagonia) Paleogene terrestrial faunas and environments:
biogeographic relationships” representando a fauna e a flora hipotéticas da Antártida durante o Eoceno.

notiolofos – Nix Illustration

eons roundup – Nix Illustration
Antarctodon (Astrapotheria) – Por Nix Draws Stuff
Acima, pegadas de aves Phorusrhacidae, representadas abaixo – Por Huffington Post International

 

Diversidade de aves da Antártida durante o Eoceno – Por Martin Chavez

Entretanto, toda essa biodiversidade teria um rápido fim. Há cerca de 36 milhões de anos, a temperatura do planeta havia caído cerca de 15ºC, o que resultou em menos regiões de florestas tropicais no continente, gradualmente substituídas por florestas temperadas, com destaque para as árvores do gênero Nothofagus, que ainda existem na América do Sul e na Austrália. Entretanto, nessa mesma época, a conexão que existia entre a Antártida e a Austrália se quebrou, isolando completamente o atual continente gelado. As correntes marítimas, que antes eram bloqueadas pela ligação com a Austrália, começaram a contornar o continente, tornando-se cada vez mais rápidas. A Corrente Circumpolar Antártica é, atualmente, a mais forte de todo o planeta, com um volume 10 vezes maior que o do Rio Amazonas e correndo a uma velocidade de mais de 40cm/s.

The heat is on: Paleogene floras and the Paleocene–Eocene warm ...
Correntes marítimas antes da separação completa da Antártida e da Austrália – Por David J. Cantrill
The heat is on: Paleogene floras and the Paleocene–Eocene warm ...
Vegetação da Antártida no Oligoceno –
Ficheiro:Beech trees southern North Island New Zealand.JPG
Nothofagus da Nova Zelândia – Por Andrewgprout
Explainer: how the Antarctic Circumpolar Current helps keep ...
Progressivamente, a Corrente Circumpolar Antártica roubou o calor do continente –
phys.org

Além de puxar grandes volumes de água fria do fundo dos oceano, suas enormes força e velocidades impediram que correntes mais quentes atingissem o continente. Assim como uma ventoinha de uma geladeira, a Corrente Circumpolar Antártica roubava o calor da região, que foi congelando do centro para suas bordas. Quedas constantes de neve fizeram com que geleiras se formassem por todo o continente, algumas com quilômetros de profundidade. O surgimento do gelo na Antártida influenciou as dinâmicas climáticas de todo o planeta e retirou toneladas de água da atmosfera, o que reduziu a distribuição de florestas e criou as grandes savanas e planícies do planeta. Dados geológicos mostram que florestas foram substituídas por geleiras em algumas regiões em poucos milhares de anos, enquanto as porções litorâneas permaneceram mais preservadas. As últimas árvores do local morreram há cerca de 2 milhões de anos, durante uma era do gelo global. Era o fim do verde da Antártida. Atualmente, apenas duas espécies de angiospermas sobrevivem na porção norte da Península Antártica e em ilhas ao seu redor (Deschampsia antarctica e Colobanthus quitensis).

File:Colobanthus-quitensis-parnikoza-2014-1.jpg - Wikimedia Commons
Colobanthus quitensis
Paul Nicklen on Twitter: "In Antarctica working for conservation ...
Por Paul Nicklen

 

 

 

Entretanto, tudo isso está mudando e, embora a diversidade esteja aumentando em terra firme, um novo perigo se aproxima do continente. Na semana que vem, descubra como a Antártida está se tornando verde novamente, mas não só da forma que você imagina.

Leia também

A Teoria de Tudo que está Vivo – Parte I – Do gênesis ao apocalipse

A Teoria de Tudo que está Vivo – Parte II – A Era dos Répteis

A Teoria de Tudo que está Vivo – Parte III – O Reinado dos Mamíferos

Saara – O paraíso transformado em deserto

Era do Gelo: Por que o aquecimento global pode causar um resfriamento nas altas latitudes?

A volta das baleias – Como a proibição mundial da caça conseguiu salvar dezenas de espécies da extinção

O Fim dos Gigantes – Conheça o papel do ser humano na extinção dos animais pré-históricos

Amazonas: O rio brasileiro que surgiu na África

Referências

http://www.climatechange.ie/hyperthermals-what-can-they-tell-us-about-modern-global-warming/

https://www.cambridge.org/core/books/the-vegetation-of-antarctica-through-geological-time/the-heat-is-on-paleogene-floras-and-the-paleoceneeocene-warm-period/14B33FBF2F88A170C328C84AB589CDAC

https://phys.org/news/2018-11-antarctic-circumpolar-current-antarctica-frozen.html

Anderson et al, 2011. “Progressive Cenozoic Cooling and the Demise of Antarctica’s Last Refugium.” PNAS 108 (28), 11356-11360. [Link

Baker, William J. and Couvreur, Thomas L. “Global Biogeography and Diversification of Palms Sheds Light on the Evolution of Tropical Lineages.” Journal of Biogeography. [Link]

Barker et al, 2007. “Onset of Cenozoic Antarctic Glaciation.” Deep Sea Research Part II: Tropical Studies in Oceanography, Volume 54, Issues 21-22, Pages 2293-2307. [Link

Birkenmajer et al, 2005. “First Cenozoic Glaciers in West Antarctica.” Polish Polar Research 26 (1), 3-12. [Link

Bond et al, 2011. “A New Astrapothere (Mammalia, Meridiungulata) from La Meseta Formation, Seymour (Marambio) Island, and a Reassessment of Previous Records of Antarctic Astrapotheres.” American Museum Novitates. [Link]

Bowman, Vanessa. 2015. “Antarctic Palynology and Paleoclimate — A Review.” Bionature 35 (1 & 2), 1-6. [Link]

Broschat, Timothy K. 2017. “Cold Damage on Palms.” Environmental Horticulture Department, University of Florida. [Link

Buerki et al, 2013. “The Abrupt Climate Change at the Eocene-Oligocene Boundary and the Emergence of South-East Asia Triggered the Spread of Sapindaceous Lineages.” Annals of Botany 112(1), 151-160. [Link]

Rees-Owen et al, 2018. “The Last Forests on Antarctica: Reconstructing Flora and Temperature From the Neogene Sirius Group, Transantarctic Mountains.” Organic Geochemistry. [Link]

 

 

 

Um comentário em “Antártida Verde – Parte 1: Descubra como as florestas desapareceram desse continente gelado

  1. Pingback: Antártida Verde – Parte 2: Descubra como esse continente está se tornando verde novamente, mas não só da forma que você imagina – TUNES AMBIENTAL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: