Estradas – Conheça as ameaças da maior causa de morte de animais silvestres no Brasil – e como podemos solucioná-las

Estradas são construções humanas criadas para conectar duas localidades e permitir o deslocamento de carros, bicicletas, caminhões, ônibus, motocicletas e outros veículos automotivos. A popularização de carros a partir da década de 50 fez com que Estados do mundo todo investissem nesse tipo de infraestrutura, conectando grandes capitais, cidades pequenas, vilarejos e aldeias, o que possibilitou o desenvolvimento de muitas áreas. Entretanto, embora sejam extremamente práticas, elas são um grande problema ambiental no nosso planeta, sendo responsáveis por quilômetros de desmatamento, pela fragmentação de habitats e pela extinção local de milhões de espécies no mundo todo. Conheça os desafios para a biodiversidade criado por essas barreiras e como podemos superá-los.

Grandes mamíferos são muito vulneráveis a atropelamentos e podem causar graves acidentes – Foto por Chuck Bartlebaugh

Primeiramente, não podemos deixar de mencionar um problema que a pavimentação gera, até mesmo dentro das grandes cidades: os alagamentos. Escrevemos diversos textos que retratam esse assunto, que podem ser encontrados no seguinte link: Enchentes são nossa culpa?!

Somando dados rodoviários internos de cada país, estima-se que existam 21 milhões de quilômetros de estradas no planeta, o equivalente a 54 vezes a distância da Terra e da Lua. Para sua construção, milhões de quilômetros de biomas nativos foram desmatados, alterando os ecossistemas de forma irreversível em muitos locais. Além disso, a matéria prima para a confecção desses locais lança toneladas de materiais tóxicos no meio ambiente, sobretudo na atmosfera. Quando prontas, as estradas contribuem para a chegada de pesticidas em locais diferentes daqueles em que foram aplicados e de óleo em lençóis freáticos. Ao mesmo tempo, sabemos que ruas e estradas são necessárias. Como resolver esse problema?

4. Environmental issues related to road management - ROADEX Network
A construção de estradas destrói milhões de árvores todos os anos em todo o planeta – Por Roadex Network

Atualmente, locomotivas são a melhor maneira de transportar mercadorias internamente em um país. A força da indústria automobilística, somada ao desconhecimento da população desse fato fazem com que governos de países em desenvolvimento tendam a construir cada vez mais estradas, mesmo que isso tenha um enorme impacto ambiental. A ABIFER (Associação Brasileira da Indústria Ferroviária) lançou recentemente, com dados baseados em estudos científicos, estatísticas que comprovam que os trens são uma medida viável para substituir o transporte rodoviário de mercadorias, responsável pela maior parte dos impactos relativos às estradas:

1 – Numa distância de 1 km, um caminhão consome 13 vezes mais energia que um trem para transportar uma tonelada de frete.
2 – Uma via férrea de um único par de trilhos equivale a uma via expressa de 14 pistas paralelas.
3 – Um comboio de 200 vagões transporta tanto quanto 400 carretas rodoviárias.
4 – Acrescentar um único trem de frete à rede equivale a retirar da circulação até 280 caminhões.
5 – Redução dos níveis de poluição do ar, sobretudo quando o transporte ferroviário for movido à energia elétrica.
6 – No caso de locomotivas movidas a diesel, o reservatório tem capacidade para 15.000 litros. A maior parte dos trens pode percorrer mais de 1600 km sem precisar reabastecer.
7 – Rodovias transportam 3 vezes mais cargas que ferrovias, mas o custo é 6 vezes maior.

Mapa das ferrovias do mundo : brasil
Mapa ferroviário do mundo – O Brasil é um dos países em desenvolvimento que menos investe em novas ferrovias em comparação ao investimento em estradas para o transporte de mercadorias

Clique para acessar o brasil_evolucao_das_redes_ferroviaria_e_rodoviaria.pdf

Entretanto, o principal impacto das estradas na biodiversidade é direto. Geralmente criadas para o transporte de mercadorias, as estradas são facilitadoras para o desmatamento ilegal,  caça, tráfico de animais, início de queimadas e dispersão de espécies invasoras. O Brasil é, segundo dados do GRIP (Global Roads Inventory Dataset), o 4º país com a maior malha rodoviária, com mais de 11 mil quilômetros de rodovias. Todos os anos, mais de 475 milhões de animais selvagens são mortos por atropelamentos em nosso território, o equivalente a mais de 15 mortes por segundo, superando a caça ilegal, o desmatamento e a poluição. Por esse motivo, estradas se tornam verdadeiras armadilhas para a biodiversidade, reduzindo drasticamente as populações animais locais.

 

Jabuti-tinga, espécie ameaçada, se arrisca na tentativa de atravessar a BR-101 – Por Leonardo Mercon/BBC

Dependendo do tamanho do organismo, atravessar uma rodovia sem morrer é virtualmente impossível em locais movimentados, o que cria barreiras e isola comunidades já ameaçadas. Os Estados Unidos possuem um amplo registro de atropelamento de grandes animais. Surpreendentemente, carros e caminhões são a maior causa da redução populacional de  animais em extinção, como é o caso da Pantera-da-Flórida (Puma concolor coryi), com pouco mais de 230 indivíduos vivendo na natureza atualmente. Além do risco para os animais, 0,04% das colisões resultam em mortes humanas, sobretudo em áreas isoladas.

Filhotes são extremamente vulneráveis em rodovias – Fotógrafo desconhecido
Florida panther roadkill deaths up slightly, but numbers may not ...
Pantera-da-Flórida fotografada perto de uma estada dos Estados Unidos – Por J Pat Carter

Enquanto a construção de muros e cercas podem impedir até 50% dos atropelamentos de animais em estradas (Public Library of Science, 2016), elas mantêm o isolamento de subpopulações, o que por si só já é uma ameaça, por limitarem sua capacidade de reprodução e de diversificação genética, além da sua área de procura por alimentos. Por esse motivo, autoridades do Canadá determinaram a construção de corredores para a travessia de animais nos anos 80, uma tendência que vem sendo copiada por todo o planeta. Pesquisadores estudaram os principais ambientes de travessia usados por cervos, ursos e lobos e, baseados nesses dados, cercaram o resto das rodovias, com exceção da entrada de túneis e pontes, criados exclusivamente para a vida selvagem. Após a construção desses caminhos, o número de atropelamentos caiu para 6% da quantidade original e a maioria das espécies dobraram sua área de ocorrência.

Tamanduá-mirim faz travessia por manilha construída na origem da BR-101 para escoamento de água – Por João Marcos Rosa – BBC

 

 

christmas island crabs
Ponte criada para possibilitar a migração anual de caranguejos, na Ilha Christmas – Por Faulkner Photography]

 

 

Travessia em Banff National Park, no Canadá, pioneiro nesse tipo de projeto – Por Janice Chen

Embora essa medida esteja sendo adotada com frequência na Europa, Singapura e em algumas áreas dos EUA, ela ainda é pouco utilizada pelo resto do planeta, sobretudo devido ao seu custo inicial. O custo por carro de acidentes de trânsito envolvendo animais é relativamente baixo e investimentos como esse levam mais de 20 anos para mostrarem algum retorno. Entretanto, a fuga dos animais pela destruição de seus habitats e o aumento no número de carros tornarão esse tipo de colisão cada vez mais comuns. Quando resolvermos priorizar os investimentos de longo prazo e aplicar dinheiro em serviços ecossistêmicos, já será tarde demais para muitas espécies, e esse é um preço que ninguém poderá pagar.

Leia também

As epidemias e a biodiversidade – Como a destruição da natureza pode ameaçar a saúde humana

Chuvas intensas e Mudanças Climáticas: uma nova realidade

Enchentes são nossa culpa?!

Florestas Vazias – Descubra por que a vida está desaparecendo em nossas matas

Ainda dá tempo de salvar nossas espécies mais ameaçadas?

Referências

The world’s biggest road networks

https://datacatalog.worldbank.org/dataset/grip-global-roads-inventory-dataset-2018-road-density

Logística: Trem versus Caminhão

http://cbee.ufla.br/portal/atropelometro/

http://www.takepart.com/article/2015/01/04/slow-down-drought-making-bears-road-kill

https://www.iucnredlist.org/species/18868/97216466

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/10/150924_atropelamentos_fauna_tg

https://www.roadex.org/e-learning/lessons/environmental-considerations-for-low-volume-roads/environmental-issues-related-to-road-management/

3 comentários em “Estradas – Conheça as ameaças da maior causa de morte de animais silvestres no Brasil – e como podemos solucioná-las

  1. Pingback: Ricardo Salles é apenas mais um: por que essa boiada não pode passar? – TUNES AMBIENTAL

  2. Pingback: Carta aberta às futuras gerações – TUNES AMBIENTAL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: