Austrália em Chamas – Parte 1: Uma ilha moldada pelo fogo

Nos últimos meses, a Austrália sofreu com os maiores incêndios registados de sua história. No total, o fogo consumiu mais de 110.000 km² (uma área maior do que o estado de Santa Catarina), destruindo mais de duas mil casas e matando 32 pessoas até o momento. Mais de um bilhão de animais morreram em meio às chamas e, para 327 espécies, esse pode ser o fim, uma vez que mais de 80% de seu habitat foi completamente destruído. No dia do lançamento desse texto (24/01/2019), 120 focos de queimadas ainda destroem o país. Embora essa onda de incêndios tenha sido a mais destrutiva dos últimos anos, o fogo tem um papel crucial para alguns ecossistemas australianos. Além disso, ele moldou a história biogeográfica do país e foi responsável por permitir que nossa espécie sobrevivesse em meio a predadores gigantes, que já não existem mais. Na primeira parte dessa série, descubra como o fogo construiu a Austrália que conhecemos.

The Dunns Road Fire crowns the tops of a trees close near Maragle, Australia
Fogo em New South Wales, no dia 10 de janeiro. Foto por: Matthew Abbott

Esse enorme país está situado na menor área continental do planeta, que se isolou de outros continentes há cerca de 45 milhões de anos. Eventos de vicariância (quando os animais surgem e permanecem em um determinado ambiente após o seu isolamento) e de colonização da ilha por outros grupos de animais fizeram com que essa região possuísse uma fauna muito diferente do resto do mundo, composta principalmente por grandes aves, marsupiais gigantes e répteis vorazes. E assim esse ambiente permaneceu isolado até que uma redução drástica no nível do mar, durante o Pleistoceno, permitiu que a nossa espécie migrasse até a ilha em embarcações através do sudeste asiático, há cerca de 65.000 anos.

Figure 32.1. Map of Sahul showing sites, localities and regions mentioned in text. Site names are abbreviated: BB = Bobongara, BK = Buka, BM = Buang Merabak, CS = Cuddie Springs, MB = Matenbek, MK = Matenkupkum, MM = Mandu Mandu.
Mapa da Austrália e sudeste asiático durante o Pleistoceno – Por J. O’connell

Ao chegar nesse novo continente, o ser humano se deparou com cenas nunca vistas antes em sua história. Crocodilos corriam em quatro patas, longe da água, atrás de grandes herbívoros do tamanho de rinocerontes, que guardavam seus filhotes em bolsas. Lagartos venenosos de 8 metros espreitavam as aves mais altas que nossa espécie já havia encontrado, enquanto estranhos animais carnívoros caçavam grandes animais saltadores com suas grandes unhas. Embora não existam grandes registros desses encontros iniciais entre nossa espécie e a fauna dessa terra alienígena, esses organismos cativaram a imaginação dos primeiros povos australianos, que representaram esses gigantes em sua arte e em sua cultura.

Exemplos da megafauna australiana – Por Peter Trusler
An illustration of the extinct Quinkana fortirostrum
Quinkana, um crocodilo terrícola australiano e marsupiais gigantes ao fundo – Por Roman Uchytel
Resultado de imagem para thylacoleo mauricio anton
Thylacoleo caçando um canguru-gigante – Por Maurício Antón
Resultado de imagem para megalania  paleoart
Megalania (Varanus priscus) caçando ave gigante (Bullockornis) – Por Peter Trusler

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Inicialmente limitados à parte norte dessa ilha, os seres humanos começaram a migrar para seu interior há 47.000 anos. Entre 45.000 e 43.100 anos atrás, a Austrália sofreu um rápido declínio de toda sua megafauna, em um processo muito similar a outras extinções do Pleistoceno/Holoceno, já mencionadas em textos anteriores. Enquanto a caça direta foi a principal causa dessa extinção em outros continentes, o modo da expansão humana foi o que causou a extinção de quase 85% da megafauna da Australásia.

Imagem relacionada
 Alguns exemplos da megafauna extinta (preto) e atual (verde) da Austrália – Stuart (2015)

Quando os humanos chegaram no continente, a Austrália era amplamente florestada. Embora a porção norte da ilha, ainda hoje, seja composta por grandes florestas tropicais úmidas, o interior da ilha mudou drasticamente com nossa presença. Enormes florestas tropicais secas e savanas estendiam-se pelas áreas mais centrais do local, com um grande deserto em seu centro. Mesmo que esses ambientes possuam um ciclo de queimadas, que muitas vezes contribuem para a saúde e manutenção do bioma, a expansão humana foi marcada por incêndios em larga escala. Florestas eram incendiadas para abrir espaço para moradias e para a migração humana, mas, principalmente, para caçar. Ao iniciar um incêndio, pessoas se posicionavam em áreas estratégicas para capturar animais que fugissem das chamas e, ocasionalmente, também coletavam animais assados pelo fogo.

Resultado de imagem para australia fire kangaroo running
Canguru fugindo de incêndio – Fonte: news.com.au

Embora essa técnica sofisticada de caça pareça uma inovação humana, ela já era utilizada por outros animais da Austrália há milhares de anos. Os chamados “firehawks” (ou gaviões de fogo, em tradução livre) são aves de rapina australianas, das espécies  Milvus migrans, Haliastur sphenurus e Falco berigora, que aproveitam os incêndios existentes para perseguir pequenos animais em fuga. Se poucos animais estão fugindo daquele incêndio, esses gaviões pegam galhos em brasa e jogam em uma outra área, iniciando uma nova queimada. Entretanto, ao aproveitar brasas de incêndios pré-existentes, essas aves não alteram o ciclo natural do fogo. A nossa espécie, por outro lado, conseguia criar novos incêndios ao longo de todo ano, mesmo nas épocas em que, naturalmente, a floresta não pegaria fogo. Dessa forma, a floresta seca no interior foi sendo substituída por gramíneas e desertos, enquanto a porção sul da Austrália teve um aumento considerável de matas de eucalipto, mais resistentes ao fogo que as florestas que antes existiam ali.

Imagem relacionada
“Firehawks” iniciando novo foco de incêndio – Por Bob Gosford

Enquanto mais de 85% da megafauna australiana desapareceu completamente  devido aos incêndios, outras espécies, como o diabo-da-tasmânia (Sarcophilus harrisii), foram extintas apenas na Austrália continental, mas sobreviveram em ilhas menores que foram colonizadas mais tardiamente pelo homem. Mas o que a extinção desses animais tem haver com o fogo que queima o país nos dias de hoje?

O diabo da tasmânia é um marsupial em risco de extinção, e seu leite pode ajudar no combate a bactérias resistentes a medicamentos Foto: GREG WOOD / AFP
Extinto na Austrália continental, o diabo-da-tasmânia (Sarcophilus harrisii) ainda vive em pequenas ilhas do país – Foto por Greg Wood

Dentre os diversos papeis executados por grandes animais herbívoros em seu ambiente, um dos principais é o consumo de vegetação. Ao se alimentarem de diversos tipos de plantas em diferentes locais, esses animais contribuem para a redução de ervas na floresta, diminuem a densidade de plantas e colaboram para a heterogeneidade da vegetação. Além disso, criam trilhas, evitam o acúmulo de plantas mortas no solo e dispersam sementes, o que ajuda na manutenção das florestas. O fim da megafauna cria um acúmulo de matéria vegetal no solo e aumenta a densidade de plantas, com destaque para arbustos e gramíneas, o que torna o ambiente muito mais inflamável. Além de um maior número de incêndios, o aumento do combustível os torna muito mais quentes, duradouros e destrutivos, criando um ciclo vicioso, cuja tendência é só piorar.

People were evacuated from the coastal town of Mallacoota by the Royal Australian Navy on Friday.
Pessoas sendo evacuadas na costa australiana – Por Royal Australian Navy

Resultado de imagem para australia fires smoke

Em resumo, no passado tornamos a Austrália muito mais seca e demasiadamente mais inflamável. No presente, estamos contribuindo ainda mais para esse cenário.

Descubra como impactamos o clima e aceleramos esse processo na semana que vem, na segunda parte dessa série de textos!

Referências

https://theconversation.com/did-fire-kill-off-australias-megafauna-19679

https://www.nature.com/articles/ncomms14142

https://www.pnas.org/content/113/4/838

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2684593/

https://royalsocietypublishing.org/doi/10.1098/rstb.2017.0443

https://www.ft.com/content/c068339e-3c55-11ea-b232-000f4477fbca

https://veja.abril.com.br/mundo/incendios-na-australia-ameacam-327-especies-de-plantas-e-animais/

https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2020/01/entenda-por-que-os-incendios-na-australia-sao-tao-graves.shtml

This is why Aussie ‘firehawk’ raptors are spreading bushfires

https://www.nature.com/articles/d41586-020-00173-7

 

Um comentário em “Austrália em Chamas – Parte 1: Uma ilha moldada pelo fogo

  1. Pingback: Austrália em Chamas – Parte 2 : Enchentes na África e sua relação – TUNES AMBIENTAL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: