Saara – O paraíso transformado em deserto

Imagine um ambiente megadiverso, repleto de um mosaico de savanas, pântanos e florestas tropicais, no continente africano. Manadas de elefantes vivem em meio a leões, antílopes e zebras, enquanto o solo fértil da região permitiu o surgimento de grandes civilizações, que, por sua vez, criaram novas técnicas de agricultura e construíram verdadeiros impérios. Em volta de grandes rios, esses povos ergueram templos e pirâmides, que resistiram à ação do tempo por milhares de anos e foram redescobertos apenas recentemente.  Embora essa descrição também se encaixe com a do Egito Antigo, essa região fértil se estendia desde o Delta do Nilo até o Oceano Atlântico. Hoje, o local mais quente do planeta, esse enorme deserto, já foi um verdadeiro paraíso para diversas populações humanas, há poucos milhares de anos.

Resultado de imagem para sahara photography
Foto por Marsel van Oorsten

Quando pensamos no Saara, logo imaginamos um grande ambiente hostil, que isola o Magrebe da África Subsaariana. Com pouquíssimas fontes naturais de água, temperaturas que podem chegar a 58°C e grandes tempestades de areias, essa região do tamanho da Europa é uma das mais inóspitas para a vida. Por esse motivo, poucos estudos são realizados no Saara em comparação com outros desertos quentes. Apenas recentemente, com o avanço de tecnologias de monitoramento via satélite, toda sua área está sendo detalhadamente conhecida, o que revelou algumas das mais impressionantes descobertas arqueológicas do planeta.

Camels making their way through the Sahara
Por  Hillary Fox

Ao analisarem depósitos de rocha de diversas regiões do Saara de até 240.000 anos de idade, pesquisadores do MIT (Massachusetts Institute of Technology) concluíram que esse enorme deserto possui ciclos de  avanços e retrações, que ocorrem a cada 20 mil anos. Durante esse tempo, mudanças na  inclinação da órbita terrestre fazem com que grandes florestas tropicais e savanas alagadas sejam rapidamente convertidas em deserto, eliminando a maior parte da biodiversidade local. Quando o Norte da África recebe um maior grau de incidência solar, as monções são intensificadas, o que gera um aumento do regime de chuvas na região e torna o Saara um paraíso verde. Entretanto, quando a incidência solar diminui, as chuvas tornam-se escassas na área, chegando a menos de 1mm anual em certos pontos, o que ocasiona a expansão do deserto. Esse fato contrasta com o que sabíamos sobre os ciclos climáticos da Terra, uma vez que a periodicidade de eras do gelo, também determinadas pela inclinação terrestre, é de cerca de 100 mil anos, o que indica que outras forças também influenciam os ciclos de glaciação.

Resultado de imagem para green sahara
A maior parte do Saara era semelhante às savanas verdes de regiões úmidas da África – Foto por Chris Cooper

Uma pergunta que sempre intrigou os cientistas é como diversos grupos de animais, incluindo o ser humano, conseguiram atravessar milhares de quilômetros de areia para sair da África Subsaariana e chegar até o Oriente Médio, colonizando outras regiões posteriormente. Esses ciclos temporais do Saara não só permitiram essa passagem, como também foram responsáveis por diversos eventos de especiação na região, que hoje possui faunas únicas isoladas por um mar de areia. Acredita-se que, entre 130.000 e 100.000 anos atrás, o ser humano foi capaz de sair da África devido a corredores verdes criados por esse sistema de chuvas, mudando completamente o curso de nossa história.  O modelo proposto pelos pesquisadores do MIT explica perfeitamente a história de nossa expansão e da expansão dessas espécies, que migraram, não por desertos inóspitos, mas, sim, por ambientes férteis e verdejantes.

Resultado de imagem para sahara human migrations
Corredor de rios possibilitou a migração de hominídeos para fora da África – Retirado do artigo de  Osborne et. al. (2008)

Em 2015, uma equipe de cientistas franceses publicou na revista Nature Communications um achado que confirmou o passado verde do Saara. Utilizando um sistema avançado de mapeamento por satélite, eles descobriram um complexo de rios secos, que cruzavam grande parte do Saara há menos de 5 mil anos. Esses rios proporcionavam a água necessária para o sustento de diversos ecossistemas na região e suas bacias interligavam os principais ambientes férteis africanos. Dessa forma, não seria estranho se grandes civilizações, assim como a egípcia, tivessem habitado países como o Sudão, Chad, Níger ou a Mauritânia, no passado.

Paleobacias hidrográficas do Saara – Por Nature Communications

Somado a isso, pesquisadores de Cambridge descreveram diversos lagos antigos para a região, em 2010, um fato que permaneceu sem explicação até o descobrimento das bacias hidrográficas extintas e dos ciclos climáticos do Saara. Dentre eles, o lago Mega-Chad era o maior de todos, com uma área de 360.000 quilômetros quadrados e mais de 247 metros de profundidade. Atualmente, o Lago Chad é um pequeno remanescente desse mar continental, que possui apenas 354 quilômetros quadrados e que continua a diminuir a cada ano. A área seca do Mega-Chad, entretanto, é composta por uma areia incrivelmente fina e rica em nutrientes, que é carregada pelo vento por intermédio do Oceano Atlântico até a Amazônia, contribuindo para sua fertilização.

Mega Chad was the biggest freshwater lake on earth covering 139,000 sq miles (360,000 sq km) of Central Africa. The graphic above shows how it has shrunk to just 137 sq miles
Tamanho do Lago Chad em comparação ao lago Mega-Chad – Por DailyMail
Resultado de imagem para green sahara map
Mapa contendo principais rios e lagos do Saara verde (os nomes das regiões são fictícios) – Retirado do site Worldanvil

Com tantos rios e lagos no passado do Saara, essa área extremamente fértil atraiu milhares de pessoas, que construíram grandes cidades na região. Com uma cultura similar à do Egito, esses povos ergueram templos e pirâmides por toda porção Noroeste da África, criando técnicas complexas de urbanismo e de agricultura. Por mais estranho que isso possa parecer, essas grandes civilizações foram descobertas apenas recentemente com o uso de drones e satélites, sobretudo devido ao tamanho do deserto. Além dos já conhecidos sítios arqueológicos no Egito e no Sudão, pesquisadores encontraram outros na Líbia, Chad e Mali, demonstrando o potencial para novas pesquisas na região. Outro fator que contribui para a dificuldade em encontrar ruínas no Saara é a mobilidade das dunas, que podem ter dezenas de metros de profundidade. A Esfinge de Gizé, por exemplo, estava quase totalmente enterrada quando foi descoberta, assim como diversas pirâmides menores do Egito.

Resultado de imagem para Garama
Ruínas de fortificação do povo Garamantes, na Líbia (acima) e de construções funerárias (abaixo) – Fotógrafos desconhecidos

Resultado de imagem para necropolis garama

Resultado de imagem para Fortresses of Sahara
Foto de forte do Garamantes descoberto com o uso de satélites mostra campos de plantio e técnicas de irrigação – U. Leicester
Resultado de imagem para giza sphinx buried
Esfinge de Gizé quando descoberta pelos europeus (acima) em comparação com a área já escavada atualmente (abaixo)  – Por b. Anthony Stewart

Resultado de imagem para giza sphinx

Resultado de imagem para sudan pyramids
O Sudão possui mais pirâmides conhecidas do que o Egito – Foto do  Getty Images

Mas então, o que aconteceu com as milhões de pessoas e animais que viviam no Saara? O fim do período chuvoso africano fez com que diversos rios secassem, o que impulsionou ondas migratórias em toda a região.  Além de enormes manadas de elefantes e antílopes, cidades humanas inteiras também migravam, levando consigo milhares de bois, ovelhas e, sobretudo, cabras, animais com extremo poder devastador em populações de plantas nativas. Por onde fossem, os humanos traziam essas espécies invasoras, que comiam toda vegetação do local, o que contribuía para processos ainda mais rápidos de desertificação. Cientistas acreditam que o Saara se transformou em um deserto em apenas pouco mais de 100 anos, o que demonstra a velocidade em que grandes mudanças podem ocorrer em nosso planeta.

Esquema mostrando diferenças na concentrações humanas ao longo do tempo no Saara – Por Kröpelin et. al.
Illustration for article titled What Happened to the Mysterious Humans of the Sahara 7,000 Years Ago?
Diversas ossadas humanas antigas foram encontradas em regiões previamente habitadas do Saara – Foto por Mike Hettwer

Com essa mudança abrupta, diversos povos e populações de animais morreram rapidamente. Hoje, cerca de 86% da megafauna do Saara está extinta ou ameaçada. Grandes animais de savanas, como elefantes, leões, guepardos e cachorros-pintados, não sobreviveram na região, enquanto outros restaram com populações extremamente fragmentadas. Além disso, o aquecimento global está contribuindo de forma significativa para o aumento das áreas desertificadas na região, ameaçando ainda mais as savanas e florestas do Norte da África. Desde 1920, o deserto já cresceu mais de 10%, em uma velocidade cada vez maior.

Resultado de imagem para Oryx dammah
Uma vez comum no Saara, o Órix-cimitarra (Oryx dammah) está extinto na natureza – Por BIOSPHOTO
Resultado de imagem para bubal hartebeest
Alcelaphus buselaphus buselaphus, extinto no século XIX
Resultado de imagem para sahara cheetah
O Guepardo-do-Saara é um dos felídeos mais raros do mundo – Farid Belbachir
Resultado de imagem para dromedary camel photography
Embora comum em cativeiro, o dromedário está extinto na natureza há mais de 2 mil anos – Foto por PixaBay

O Saara teve uma importância significativa para a nossa evolução, considerando que foi por meio de seus corredores verdes do passado que os humanos conseguiram migrar para outras partes do mundo. No entanto, a desertificação recente da região obrigou povos a se deslocarem para outras regiões e provocou a extinção de inúmeras espécies. Com o agravamento do aquecimento global, tememos que, cada vez mais, savanas e florestas sejam destruídas. A história desse deserto revela a velocidade com que as mudanças acontecem na natureza e, com os processos de desertificação ocorrendo em diversas regiões do mundo, sobretudo na Amazônia, questionamos se novos Saaras vão surgir em breve.

Leia também

O Impacto Por Trás das Manchetes: Como as mudanças climáticas já estão afetando a vida no planeta

O Fim dos Gigantes – Conheça o papel do ser humano na extinção dos animais pré-históricos

Amazonas: O rio brasileiro que surgiu na África

Rios Voadores e Tempestades de Areia

Referências

https://phys.org/news/2019-01-sahara-swung-lush-conditions-years.html

https://qz.com/africa/549573/5000-years-ago-the-sahara-desert-was-home-to-people-animals-and-lush-vegetation/

https://www.nature.com/scitable/knowledge/library/green-sahara-african-humid-periods-paced-by-82884405/

https://www.theguardian.com/science/2015/nov/10/ancient-river-network-discoverd-buried-under-saharan-sand

http://news.mit.edu/2019/study-regulating-north-african-climate-0102

https://www.smithsonianmag.com/smart-news/three-ancient-rivers-long-buried-by-the-sahara-created-a-passage-to-the-mediterranean-7222072/

https://www.sciencemag.org/news/2015/02/drones-and-satellites-spot-lost-civilizations-unlikely-places

https://www.sciencedaily.com/releases/2013/09/130911184712.htm

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/ddi.12157

https://www.sciencedaily.com/releases/2013/12/131203124530.htm

https://www.nationalgeographic.com/news/2011/11/111111-sahara-libya-lost-civilization-science-satellites/

https://www.hindustantimes.com/world-news/sahara-desert-has-grown-by-10-since-1920-due-to-climate-change-says-study/story-use6q6ByRUc7wh6wriRkFM.html

https://www.pnas.org/content/105/43/16444

https://www.smithsonianmag.com/science-nature/what-really-turned-sahara-desert-green-oasis-wasteland-180962668/

https://www.independent.co.uk/environment/sahara-worlds-largest-desert-climate-change-growth-global-warming-sahel-a8280361.html

https://theconversation.com/humans-may-have-transformed-the-sahara-from-lush-paradise-to-barren-desert-74666

Ancient megalake discovered beneath Sahara Desert

https://www.cambridge.org/core/services/aop-cambridge-core/content/view/7515BC9AAFE40606D3FC30C9D0C7D9D7/S0033589418000467a.pdf/megalakes_in_the_sahara_a_review.pdf

https://www.dailymail.co.uk/news/article-3143617/Scientists-discover-Sahara-Desert-contained-world-s-largest-lake-named-Mega-Chad-1-000-years-ago-evaporated-just-years.html

86 percent of big animals in the Sahara Desert are extinct or endangered

 

 

 

 

 

 

3 comentários em “Saara – O paraíso transformado em deserto

  1. Pingback: Ecocídio – Como civilizações de destruíram ao destruir o ambiente à sua volta – TUNES AMBIENTAL

  2. Pingback: Florestas Vazias – Descubra por que a vida está desaparecendo em nossas matas – TUNES AMBIENTAL

  3. Pingback: Texto Curioso – Formigas – Conheça o maior império da história de nosso planeta! – TUNES AMBIENTAL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: